Aumenta reciclagem de PET no Brasil

A procura por garrafas pet para reciclagem disparou no Brasil. E esse material se tornou tão valioso que está em falta para a indústria.

O processo de reciclagem da garrafa PET é simples: o trabalho começa nas mãos de catadores e cooperativas. Depois, as garrafas são separadas, tragadas pela esteira, lavadas e finalmente trituradas. E por fim, o plástico pet moído se transforma em placas de trânsito, capas de caderno, cobertores, roupas e muitos outros produtos.

O número de fábricas de reciclagem no Brasil saltou de 175 para 425. Só que sem matéria-prima as fábricas produzem 30% menos do que poderiam. Elas precisam de uma quantidade maior desse lixo. Mesmo assim o Brasil é um dos países que mais reciclam garrafas pet no mundo. Agora só falta surgirem mais iniciativas de coleta de material reciclado em mais cidades brasileiras.

“É um material útil e incrivelmente bonito. As pessoas estão começando a entender como esse lixo pode se transformar em tantas coisas úteis e como é importante reciclar ao invés de poluir o meio ambiente e desperdiçar um material que tem grande valor”, afirma o diretor de uma cooperativa de reciclagem.

Para ver o vídeo dessa matéria clique aqui: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/05/procura-por-garrafas-pet-para-reciclagem-dispara-no-brasil.html

Fonte: Jornal Nacional / Planeta Sustentável / Veja / Superinteressante



Escrito por Julia Lordello às 23h38
[] [envie esta mensagem] []



Retrospectiva

Alguém para te ouvir

Se você tem algo para falar, eles estão lá para escutar. Como um velho amigo: a qualquer hora, sem cobrar nada, com toda a disposição.

É o Centro de Valorização da Vida (CVV), uma organização criada há 49 anos para prevenir o suicídio e dar apoio a quem precisa.

Qualquer pessoa pode entrar em contato com a ONG, sem precisar se identificar, através do telefone (141), e-mail, chat online (www.cvv.org.br) ou pessoalmente. São 41 postos, cada um com cerca de 50 voluntários, em todos os estados do país. O serviço é 24h e gratuito. Os voluntários têm um simples trabalho: ouvir o outro.

“É um trabalho de atendimento àqueles que estão passando por alguma dificuldade, por um momento de tristeza ou até mesmo por um fato feliz em suas vidas, e não têm com quem compartilhar. Tem pessoas que ligam para contar que passaram em um concurso, outras pela descoberta de uma doença e outras que não falam nada, não há diálogo verbal, mas sim emocional. A pessoa não consegue falar e o voluntário fica ali, quanto tempo for preciso, até que o interlocutor ganhe coragem para conversar ou simplesmente desligue”, conta Antonio, voluntário há 10 anos nas madrugadas das quartas-feiras em São Paulo.

Os voluntários recebem cursos de formação, que servem tanto para capacitar novos voluntários quanto para reciclar os que já trabalham na organização. Em 2009, foram 1,1 milhão de telefonemas.

“O projeto nos ensina a importância de saber ouvir, com respeito e sem julgamento. Na maioria das vezes, a pessoa que liga para o 141 só quer ser ouvida e nós temos uma satisfação grande em escutar”, afirma outro voluntário.

Fonte: Revista Sorria / Superinteressante / IG / Bom Dia DF



Escrito por Julia Lordello às 23h08
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Histórico
Categorias
Todas as mensagens
A AUTORA
O BLOG
ENTREVISTAS
SUGESTÕES


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
TWITTER do blog
FLICKR do blog
FACEBOOK do blog
ORKUT do blog
AACC - Associação de Apoio à Criança com Câncer
AfroReggae
Associação Viva e Deixe Viver
Canto Cidadão
Cão Sem Dono
Clique Alimentos
Coluna Bate-Papo com Edney Silvestre
Doe Palavras
Doutores da Alegria
GoodGuide
Keri Smith
Leonardo Boff
O Guia Verde
ONG Banco de Alimentos
Orbitas
Os Fantásticos Frenéticos
Planeta Sustentável
Sustentável é pouco
Vez da Voz
Vida Simples
Viva Rio
We Are What We Do
WWF