Apagando as luzes pelo planeta

Que tal ficar no escuro por 60 minutos para mostrar que você se preocupa com o planeta e faz sua parte contra o aquecimento global?

É essa a ideia da campanha Hora do Planeta, que é promovida há cinco anos pela ONG ambiental WWF.

O projeto acontece nesse sábado e a ONG convida pessoas de todos os cantos do planeta a ficar no escuro das 20h30 às 21h30 para mostrar que estamos dispostos a mudar nossos hábitos de consumo para termos um futuro mais sustentável.

No ano passado, 1 bilhão de pessoas participou da ação e agora a ONG espera a adesão de cerca de 1,8 bilhão de cidadãos, de mais de 5250 cidades de 135 países.

O jornalista ambiental Rogério Silva vai participar da hora do planeta pela terceira vez.  Todo ano ele faz um jantar romântico à luz de velas com a esposa.

“É uma forma de mostrar que podemos mudar nossos hábitos, gastar menos energia, de uma maneira simples e boa. Muitos acham que essa atitude é pequena, nada vale, mas acredito que se cada um fizer a sua parte podemos mudar o mundo mesmo. E nesse dia conseguimos nos unir, mesmo tão distantes e em lugares tão diferentes, e mostrar que isso é possível”, afirma.

Fonte: Gazeta do Povo / UOL Notícias / Planeta Sustentável / Portal Terra / WWF



Escrito por Julia Lordello às 19h55
[] [envie esta mensagem] []



Retrospectiva

Filhotes nascidos em zoos no mundo inteiro

Filhotes de animais nascidos em cativeiro ao redor do mundo são as estrelas de um blog e de um livro de um projeto muito especial.

É o Zooborns, um projeto que traz imagens e histórias de animais nascidos em cativeiros, alguns deles ameaçados de extinção.

Além de adoráveis, os bebês representam uma nova esperança para suas espécies na natureza.

A idéia do blog e do livro é inspirar a todos a cuidar dos animais e conscientizar sobre como os programas de procriação de animais em cativeiro em instituições sérias ajuda nos esforços de preservação de espécies.

“Procuramos espalhar pelo mundo grandes histórias de conservação. Todas as imagens e histórias vêm de organizações e zoológicos credenciados e respeitados em todo o mundo. O Zooborns é muito mais do que um local para colocarmos um sorriso no rosto dos nossos leitores. O que buscamos fazer é criar empatia por espécies ameaçadas pelos humanos. Queremos inspirar as pessoas a proteger esses animais incríveis”, afirmam os criadores do projeto, Chris Eastland, um fotógrafo de Nova York, e Andrew Bleiman, um apaixonado por conservação animal de Chicago.

Fonte: Último Segundo / IG / BBC Brasil / The Telegraph / Zooborns



Escrito por Julia Lordello às 23h49
[] [envie esta mensagem] []



Projeto quer valorizar catadores de recicláveis

O grafiteiro Mundano criou um projeto para valorizar os catadores de recicláveis. É o Pimp My Carroça.

A ideia é simples: o grafiteiro levará arte para as carroças dos catadores e fará uma reforma colocando itens de segurança como retrovisores, buzinas e faixas refletivas.

E tem mais: os catadores ainda ganharão alimentação, consulta com um clínico geral e um oftalmologista e irão conversar com um especialista em dependência química.

O projeto já começou e está dando certo. Dezenas de carroças já foram reformadas e depois de todas as reformas as carroças farão um desfile na Avenida Paulista, para lembrar as pessoas da importância desses profissionais.

“Eles reciclam o nosso lixo e devem ser valorizados. Queremos levar segurança para eles trabalharem e fazer uma intervenção artística nas carroças para tirar os catadores da invisibilidade e dar mais prestígio ao importante papel que eles têm na sociedade”, afirma Mundano.

Fonte: Globo.com / Planeta Sustentável / Superinteressante / EcoDesenvolvimento



Escrito por Julia Lordello às 23h30
[] [envie esta mensagem] []



Restaurantes londrinos se mobilizam para diminuir consumo dos canudinhos de plástico

Eles são descartados aos milhares todos os dias. Só na rede do McDonald´s no Reino Unido são consumidos 35 mil canudinhos a cada 24 horas. Imagine a soma de todos os restaurantes e bares.

Juntos, os canudos têm um grande impacto nos aterros sanitários, lixões e mares, já que demoram muitos anos para se decompor e acabam sendo engolidos pelos animais marinhos.

Pensando nisso, restaurantes londrinos se uniram e criaram a campanha Straw Wars (Guerra dos Canudos).

A idéia é simples: incentivar os restaurantes a parar de oferecer canudinhos e diminuir assim o consumo exagerado desses descartáveis de vida útil muito curta.

“É uma ação simples que pode fazer uma grande diferença. Ao invés de oferecer canudinhos, só damos o canudo para o cliente que pedir. Com essa atitude, o número de canudos usados diminuiu demais, o que é ótimo para o meio ambiente”, afirma um dos criadores do projeto.

Fonte: Planeta Sustentável / Superinteressante / The Guardian / EcoDesenvolvimento



Escrito por Julia Lordello às 17h27
[] [envie esta mensagem] []



Chefs especiais

Para alguns, podia ser só um ovo. Mas para Pricila Ghiuro aquele ovo representava um desafio e tanto. Ela deveria quebrá-lo, misturá-lo a leite e óleo e amassá-lo junto à farinha e ao queijo ralado. Com uma delicadeza singular, ela cumpriu todas as tarefas.

Foi assim que ela e outros vinte adolescentes com síndrome de Down começaram a descobrir um novo mundo: a gastronomia.

Todos foram formados pelo projeto Chefs Especiais, em São Paulo, que oferece cursos de culinárias para jovens com síndrome de Down.

Criado há seis anos, o projeto foi desenvolvido por Simone e Márcio Berti. O casal decidiu doar parte de seu tempo e conhecimento para uma causa social.

“Temos uma fábrica de panelas e muitos parceiros ligados a restaurantes e empresas de alimentos, por isso decidimos nos dedicar nesse campo. E grandes chefs aderiram ao projeto”, conta Simone.

A iniciativa tem ajudado a transformar a vida de muitos jovens. Lá, eles conversam, não se sentem excluídos, tem a sensação de fazer parte de um grupo e aprendem valores fundamentais como a solidariedade.

“Para uma cozinha funcionar, as pessoas precisam se ajudar. E os alunos acabam levando esse aprendizado para a vida. Além disso, o fato de você juntar ingredientes que isoladamente não são gostosos para transformá-los em algo bom é muito significativo”, afirma.

Pricila é um exemplo de como o projeto deu certo. Depois das aulas, se apaixonou ainda mais pela culinária e hoje é uma chef formada pela Universidade Católica de Santos, com diploma do curso de inglês e um estágio de trabalho concluído. Seu próximo objetivo é montar o próprio restaurante.

“Adoro o que eu faço”, afirma Pricila.

Fonte: Revista Época / A Tribuna / Veja / GNT



Escrito por Julia Lordello às 23h13
[] [envie esta mensagem] []



Como a vida na cidade melhoraria se as marginais de rios fossem mais verdes

A ilustração acima, feita por Jonatan Sarmento para a revista National Geographic Brasil, mostra como ficariam as marginais do rio Tietê, em São Paulo, caso suas áreas de várzea voltassem a ter verde.

Esses espaços foram impermeabilizados para dar lugar a asfalto. O que gera consequências muito ruins para a cidade, como alagamentos e enormes enchentes durante a época de tempestades.

Implementar corredores verdes nas áreas de várzea do rio Tietê não é impossível, mas leva tempo. E é essa a proposta de um grupo de arquitetos da USP – Universidade de São Paulo para a revitalização dessa área.

Eles mostraram a ideia em uma reportagem na revista e o projeto foi tão elogiado por moradores da cidade que se tornou uma campanha no Facebook com o slogan “Quero uma São Paulo Assim”.

Os arquitetos contam que em alguns países projetos como esse já foram feitos e transformaram as cidades. Em Singapura, por exemplo, a restauração de 2,7 quilômetros do rio Kallang, que também passava por um canal de concreto, mostrou que é possível ter menos inundações, mais refrigeração natural e oportunidades de recreação para todos. A revitalização do rio durou três anos e foi concluída neste mês, com 62 hectares reabertos aos moradores de Singapura.

“As pessoas precisam cuidar das suas cidades e pensar em maneiras de melhorá-las. Independente de conseguir realizar esse projeto logo, já estamos felizes em ver o número de pessoas interessadas em transformar nossa cidade e ter uma vida mais sustentável”, afirmam os criadores do projeto.

Fonte: National Geographic Brasil / Planeta Sustentável / Superinteressante / Viaje Aqui



Escrito por Julia Lordello às 23h01
[] [envie esta mensagem] []



Uma biblioteca para todos

Daniela Carneiro, Juliano Rocha e Edemilson Pereira criaram há um ano um projeto que está transformando a vida de moradores do pequeno bairro de Cabrestante, em Morretes, no final da Estrada do Anhaia, na Serra do Mar do Paraná.

É a Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa, que está levando conhecimento e o hábito da leitura para aproximadamente 150 famílias que nunca tiveram acesso fácil a cultura.

Lá, não tinha biblioteca e nem jornaleiro. A escola é longe e não tem muitas atividades para a comunidade. Por tudo isso, sempre foi difícil para os moradores lerem livros e até o jornal para saber as notícias do país e do mundo.

Foi pensando nisso que os três se uniram e criaram voluntariamente a biblioteca. Tudo começou com apenas 30 livros de história, literatura e dicionários. Agora o acervo já está um pouco maior.

A ideia é incentivar a leitura de todas as formas. Eles levam os livros nas casas dos moradores, convidam adultos e crianças a visitarem a biblioteca e promovem leituras.

“O importante é que agora eles têm uma biblioteca. Pessoas de todas as idades nos visitam e já até pedem determinados livros e revistas. Todos gostam muito”, afirmam orgulhosos.

Fonte: Globo.com / Correio do Litoral / Estronho / Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa



Escrito por Julia Lordello às 23h34
[] [envie esta mensagem] []



Aplicativo incentiva economia de água

Você sabia que, se todos os brasileiros adquirissem o hábito de fechar a torneira enquanto escovam os dentes, a água economizada durante um mês equivaleria ao volume de água de um dia e meio das Cataratas do Iguaçu?

Para mostrar às pessoas como é possível reduzir o desperdício de água no dia a dia, sem grandes sacrifícios, o Instituto Akatu lançou na semana do Dia Mundial da Água o aplicativo Fake Shower.

A ideia é simples: o aplicativo é compatível com iPhone e informa quantos litros de água estão sendo gastos enquanto a torneira ou chuveiro estão ligados para alguma atividade. Assim todos podem descobrir a quantidade de água desperdiçada ao lavar a louça com a torneira aberta ou tomar banho durante muito tempo.

O nome do aplicativo não é à toa. Enquanto está ligado, o aplicativo simula o barulho de um chuveiro ou torneira e calcula o uso da água. E os consumidores ainda podem compartilhar o quanto economizaram com os outros usuários do aplicativo. Assim o consumidor consegue ver sua economia e o impacto agregado da economia de todos.

“Esse projeto é mais uma forma de conscientizar as pessoas sobre a importância de economizar água e ter um dia-a-dia mais sustentável”, afirmam os criadores da iniciativa.

Fonte: Planeta Sustentável / Instituto Akatu / Revista Fator / Globo.com



Escrito por Julia Lordello às 23h29
[] [envie esta mensagem] []



Retrospectiva

Chef sustentável

Usar ingredientes locais é uma das melhores maneiras de tornar a alimentação mais sustentável. Os alimentos não precisam se deslocar por distâncias absurdas – diminuindo a poluição causada pelos meios de transporte –, e você ainda estimula e valoriza a agricultura e a economia locais.

Pensando nisso, o chef de cozinha Gilles Le Gallès montou o cardápio de seu restaurante de acordo com os ingredientes que os pequenos produtores rurais fabricam na sua região, a Bretanha, noroeste da França.

É o Les Jardins Sauvages, restaurante que fica no hotel-spa sustentável La Grée des Landes, na pequena cidade de La Gacilly.

Em sua cozinha, Gilles criou um menu 90% orgânico, feito exclusivamente com produtos locais. Bem na frente do restaurante, o chef tem uma horta orgânica que exibe com orgulho como demonstração prática de seus princípios. Ele sabe quando as frutas e legumes vão estar maduros ou pode se programar por duas semanas para colher espinafres, abóboras ou pimentões. O queijo de cabra é comprado do queijeiro da colina ao lado e os delicados crepes são feitos com o típico trigo sarraceno da região.

“Eu ajudo meus fornecedores, que são meus vizinhos, a ficarem por aqui e investirem na região. Esse verão, por exemplo, auxiliamos nosso produtor de legumes a lutar com métodos alternativos contra uma praga, colocando-os em contato com uma associação de agricultores orgânicos”, conta.

Gilles também conseguiu convencer o padeiro da cidade a comercializar pães orgânicos. E, ao lado dos produtores locais, busca uma solução para o problema da falta de polinização das flores, ligada à extinção das abelhas.

“Conseguimos criar um cardápio orgânico por trabalharmos juntos. É uma dedicação de todos nós. O meu trabalho, além de atuar como um chef, é me envolver na comunidade e valorizar seus produtos”, afirma.

Fonte: Revista Vida Simples / UOL Notícias / Condé Nast Traveller / Planeta Sustentável / La Grée des Landes



Escrito por Julia Lordello às 19h46
[] [envie esta mensagem] []



Diamante de gelo homenageia Dia Mundial da Água

Hoje (22/03) é o Dia Mundial da Água.

A ONU criou a data para lembrar a humanidade anualmente sobre a importância de preservar esse recurso tão valioso para os seres vivos.

Nesse ano, a SOS Mata Atlântica criou com uma agência de propaganda uma escultura para homenagear a data e reforçar o valor que a água tem para as pessoas e para o mundo.

A homenagem foi um grande diamante de gelo. Ele foi esculpido na Estação Butantã do metrô de São Paulo. Em sua base está escrito: Dê à água o valor que ela tem.

A ação deve ter duração de três dias, até o próximo sábado (24), período no qual o diamante ficará exposto. Depois, todos os 2.200 litros de água da escultura serão reutilizados pela Sabesp.

“As pessoas poderão ver essa escultura incrível desaparecer aos poucos. A água é um recurso muito valioso e precisamos preservá-la. Muitas pessoas já não tem acesso a ela”, afirmam os criadores da iniciativa.

Fonte: Último Segundo / IG / UOL Notícias / Globo.com



Escrito por Julia Lordello às 23h17
[] [envie esta mensagem] []



Projeto quer realizar um milhão de rodas de leitura no Brasil

O engenheiro Albert Holzhacker tem um sonho: promover um milhão de rodas de leitura em escolas públicas, ONGs e programas de educação em todo o Brasil.

Pensando nisso, criou em 2007 o projeto Um Milhão de Rodas.

A ideia é disseminar a leitura e contribuir com a formação de crianças, jovens e adultos.

Para atingir esses números, o projeto conta com a ajuda de voluntários que passam por uma preparação e se tornam os mediadores das rodas de leitura.

A iniciativa, criada em São Paulo, está dando certo, e até hoje já atingiu mais de mil leitores de todas as faixas etárias.

“A leitura transforma a vida das pessoas. Quando as pessoas descobrem o quanto é prazeroso ler, elas passam a enxergar um novo mundo. É uma ferramenta para ampliar a vontade de aprender, de descobrir novos universos”, afirma.

Fonte: Revista Vida Simples / Planeta Sustentável / Catraca Livre / UOL Notícias



Escrito por Julia Lordello às 19h12
[] [envie esta mensagem] []



Pequenos fiscais da natureza

As crianças estão aprendendo cada vez mais cedo a preservar o meio ambiente.

Esses pequenos fiscais da natureza economizam água e energia, separam o lixo e chamam a atenção de quem não tem atitudes sustentáveis.

Mariana Petrosink, de 5 anos, cobra responsabilidade verde do irmão mais velho e controla até o tempo que ele fica no banho.

"Ela chama a atenção do irmão de 16 anos e ensina muitas atitudes mais conscientes para toda a família", conta a mãe.

Depois que Mariana começou a frequentar a escola, há dois anos, a família mudou seus hábitos. Antes, só reciclavam óleo. Agora separam também garrafas e plásticos. A menina também pede que escovem os dentes com a torneira fechada.

As irmãs Carolina, de 5 anos, e Amanda, de 9 anos, também ensinaram atitudes ecológicas em casa. Elas ajudam a separar o lixo em casa. Lavam os potes vazios, jogam na lixeira com separador de recicláveis e pedem para a mãe dar um destino correto ao material.

As mensagens ecológicas estão por toda a parte, mas é na escola que as principais noções de consciência ambiental são passadas.

“A criança reproduz na família o que incorporou na escola. E ela tem força em casa, conscientiza e ensina mesmo. A escola é muito importante para ensinar valores de respeito ao outro e ao meio ambiente”, afirma a mestre em educação Tania Zagury.

Fonte: Folha de S. Paulo / Planeta Sustentável / Revista Crescer



Escrito por Julia Lordello às 23h45
[] [envie esta mensagem] []



Retrospectiva

Café do próximo

Em um café na Vila Madalena, em São Paulo, uma iniciativa está levando um pouco de gentileza para a vida dos moradores da cidade.

O Café e Sabor adotou uma prática: o chamado café do próximo.

A idéia é simples: os clientes podem deixar um café pago para outra pessoa. Depois, qualquer um pode chegar e tomar um dos cafés que já foi oferecido por alguém, anonimamente.

Em uma das paredes, fica uma lousa onde os atendentes escrevem o número de cafés que já estão pagos. Assim, os clientes sempre sabem a quantidade de cafés que são gentilmente oferecidos.

“É uma pequena gentileza que faz toda a diferença. O mundo ficaria mais leve se tivéssemos mais atitudes assim”, afirma uma cliente do espaço.

O café fica em um prédio comercial da região e a idéia da iniciativa veio do psicólogo e síndico do prédio, Marcos de Oliveira, que se inspirou em um projeto que já existe em um café no Rio de Janeiro. Os cariocas, por sua vez, trouxeram a iniciativa de um café que existe em Praga, na República Tcheca.

“Essa iniciativa é o retrato de uma tradição milenar praticada pelos beduínos do deserto. Peregrinos de toda a parte encontravam em suas paradas mantimentos deixados pelos prévios viajantes. Uma demonstração de respeito e solidariedade para que pudessem continuar sua jornada. Aqueles amparados pelo gesto repetiam a atitude antes de seguir adiante. Trouxe o café do próximo para cá porque queríamos deixar de ser um condomínio para nos tornarmos uma comunidade. Queria recuperar a solidariedade. O café desperta o conforto de alguém ter pensado em você”, afirma Marcos.

Fonte: Revista Vida Simples / Revista da Folha / Bons Fluidos / Folha Online / Planeta Sustentável



Escrito por Julia Lordello às 23h48
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Histórico
Categorias
Todas as mensagens
A AUTORA
O BLOG
ENTREVISTAS
SUGESTÕES


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
TWITTER do blog
FLICKR do blog
FACEBOOK do blog
ORKUT do blog
AACC - Associação de Apoio à Criança com Câncer
AfroReggae
Associação Viva e Deixe Viver
Canto Cidadão
Cão Sem Dono
Clique Alimentos
Coluna Bate-Papo com Edney Silvestre
Doe Palavras
Doutores da Alegria
GoodGuide
Keri Smith
Leonardo Boff
O Guia Verde
ONG Banco de Alimentos
Orbitas
Os Fantásticos Frenéticos
Planeta Sustentável
Sustentável é pouco
Vez da Voz
Vida Simples
Viva Rio
We Are What We Do
WWF